10 de fevereiro de 2021

Blefe na hora de entrevistar um suspeito, como utilizar?

Tempo de leitura: 2 minutos

Há uma grande mística com relação ao uso do Blefe durante a entrevista investigativa com um suspeito.

É muito comum os entrevistadores acharem que este artifício é infalível e que a sua utilização trará a primeira admissão do ato e, por consequência, a confissão posterior.

Por conta disso, o entrevistador acaba caindo no erro de inventar qualquer situação para ser dita durante a entrevista sem tomar os devidos cuidados.

Minha experiência com o blefe

Na minha experiência, a utilização errada de um blefe pode trazer sérios problemas à investigação e, principalmente, à reputação do trabalho e do entrevistador.

Utilizar um blefe que é facilmente descaracterizado pelo entrevistado é quase como deixar escrito em uma folha de papel o seguinte: “não conseguimos nada na investigação, não temos provas” ou ainda “eu estou tendo que inventar algo, pois já não sei mais como extrair informações de você.”

Isso é muito ruim para investigação, pois a partir deste momento ela foi desqualificada e dá a sensação de tranquilidade ao entrevistado, que ganhará muita força durante a sequência da entrevista.

Além disso, a reputação e até mesmo a crença que o entrevistado poderia ter sobre a capacidade e habilidade do entrevistador será sensivelmente diminuída.

Lançar um blefe que é facilmente superado pelo entrevistado deixa a seguinte mensagem de que o entrevistador pode não ser tão capacitado para interrogá-lo.

Assim, o “mito entrevistador” que consegue as informações e resolve os casos acabou de ser destruído.

A forma certa de usar o blefe            

A melhor maneira de utilizar um blefe durante a entrevista com um suspeito é trazendo situações ou processos que o suspeito não tenha controle, ou seja, algo que ele fantasiará, ficando em dúvida se realmente aconteceu, pois ele nunca fiscalizou ou desconhece o processo ou o controle.

A sensação de risco e de descontrole criada por um blefe bem executado gerará o pensamento no entrevistado de que algum rastro ele deixou ou até mesmo o receio que ele não foi tão cuidadoso como deveria em alguma atitude que tomou e com isso alguém o denunciou ou a investigação o pegou.

Lembre-se, se você for blefar ou inventar algo precisa pensar em algo que o entrevistado não possui controle. Blefar ou inventar alguma coisa que é facilmente superada pelo entrevistado acaba com a entrevista.

Compartilhe:

ARTIGOS relacionados que podem te

interessar

28 de junho de 2022
A cultura organizacional pode ser entendida como o comportamento da empresa no cotidiano.
21 de junho de 2022
O imprevisto é algo que muda tudo, ataca uma fraqueza, fortalece uma ameaça, surge repentinamente e de uma direção inesperada.
21 de junho de 2022
Ao ler “comportamento digital” é muito fácil pensar que estamos falando da forma como uma pessoa age no ambiente online, certo? No entanto, o termo vai um pouco mais além!

interesse em cursos das

TRILHAS

interesse em cursos

in company

interesse em

treinamentos

interesse em

palestras